Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

moXo

Ave noturna, misteriosa e inteligente. O Mocho simboliza Reflexão, busca pelo conhecimento racional e intuitivo, Sabedoria.

Ave noturna, misteriosa e inteligente. O Mocho simboliza Reflexão, busca pelo conhecimento racional e intuitivo, Sabedoria.

moXo

22
Fev19

Confiança no Universo

moXo

A mudança é própria do ser humano.

Quando avançamos de forma genuína e natural enchemo-nos de confiança, de força, de energia. Nem nos apercebemos de onde vem tanta energia mas confiamos e seguimos. Há como que uma certeza de que aquilo é o correto, de que seguimos uma verdade. Os nossos sentidos ficam apurados, a nossa intuição mais refinada, vemos tudo de forma mais clara.

 

Esta confiança no que está ao nosso redor, no Universo , dá-nos uma maior consciência de quem somos e do que fazemos. Confiança divina, no céu, no Infinito. Confiança no que não se vê mas sente-se. Trata-se de uma porta aberta com acesso ao mundo divino. Trata-se de uma caminhada que nos conduz ao amor e paz, a uma união a deus ou ao divino.

 

A consciência adquirida ao longo do caminho que tenho feito levou-me a uma mudança e confiança transformadoras. Ao longo do curso do chakras este sentimento foi sendo cada vez mais revelador. Consegui avaliar vários temas da minha vida. Ver como os meus pais, a sociedade, a vida, as expetativas me tornaram numa determinada pessoa e que essa pessoa definitivamente não sou eu. Confuso? Sim, mas é a verdade.

 

Este percurso levou-me a conhecer melhor quem tinha e tenho como referência, quem me influencia ou tenho como exemplo mesmo quando nem me apercebo dessa conexão. O nosso pai enquanto força e “super-herói”, o homem que foi e é, guerreiro, protetor, ausente, invisível… a nossa mãe com a sua sensibilidade, amor, nutrição, conforto… Hoje sei que agi e ainda ajo em espelho ou por oposição a estas influências, seja por excesso ou por falta.

 

Há como uma clareza naquilo que sou. Ser único. Há karmas que foram dissolvidos e outros ainda por trabalhar.

Há um sentimento de Fé que nasceu e me permite crescer e dá-me liberdade a confiar no Universo.

 

Sinto hoje que este conhecimento e confiança não poderiam ter surgido antes. Não estava preparada, não saberia como interpretar ou aceitar. E para quem nunca teve muita paciência este foi um caminho difícil.

Tudo tem o seu tempo e o seu devido curso. Ser paciente.

A terapeuta do curso afirmou uma vez: “a ferida que tens não é culpa tua, mas a cura é da tua responsabilidade”.

A minha luz, a minha aprendizagem, o meu conhecimento.

 

Gratidão,

moXo

 

070518

 

22
Jan19

Memórias vazias, histórias ausentes

moXo

Álbum cheio de fotografias mas vazio de memórias.

Não as tenho.

Da infância e adolescência pouco ou nada recordo. A maior parte da informação que guardei foi-me descrita, contada, passada por outra pessoa, outra perspetiva que não a minha. Memórias minhas não as tenho.

Bloqueio ou não. Acredito hoje que criei um muro de proteção.

 

Sempre vivi com este fato até que recentemente me interroguei. Porquê? Será normal?

Vontade de descobrir e de encontrar respostas para esta e outras dúvidas levou-me a este momento.

 

Sei que tudo o que vivi e no meio em que cresci me definiu e tornou-me esta pessoa. Sei que a falta de memórias surgiu dessa realidade, muitas vezes difícil e dolorosa. Sei que bloqueei memórias para que estas não me magoassem mais. Tive que criar distância para factos que não entendia mas que não tinha como os afastar ou mudar. Impotência.

 

Hoje escolho libertar. Pai e Mãe. Sou o resultado das suas escolhas e decisões. Decido parar com o poder das memórias vazias em mim. Assumo e avanço. Decido ainda que as histórias ausentes não têm assim tanta importância. Que o que importa é ter chegado aqui. É ter-me interrogado, tentado perceber, descobrir, aceitar o que nunca controlei. E com este conhecimento e aceitação usá-lo para libertar, crescer e avançar.

 

Gratidão,

moXo

 

280418 II

21
Mai18

Pais

moXo

As emoções e as palavras intoxicam-nos e são o nosso maior inimigo. Muito do que nos é dito e feito sentir enquanto bebés e crianças entranha-se no nosso ADN e começa a fazer parte de nós. São como água que flui livremente dentro do nosso corpo. Água mais tarde filtrada pelos rins que nos limpam através da urina e das lágrimas.

Os maiores responsáveis pelas primeiras impressões, sensações, emoções são sem dúvida os nossos pais.

 

O início da vida na Terra é uma afirmação do Ser. Eu sou. Eu sobrevivo. Vou crescer e evoluir.

O primeiro contato de um bebé no mundo físico é à mãe e à vibração e energia materna.

Surge o medo. Medo de não conseguir ser, de não fazer, da rejeição, de não ser aceite.

Influência predominante e quase exclusiva da mãe. No limite a criança precisa da mãe para sobreviver, para se nutrir e proteger. Ligação estreita criada no útero e que transpõe-se ao longo da vida e na nossa procura incessante pela sensação de felicidade e de ligação ao próximo.

 

Mas há o outro lado da equação. Não o da criança. Mas sim, o da mãe e do pai.

Há distância de meia vida, a mais de meio da minha idade adulta, tomo consciência plena que antes de serem pais, aqueles dois seres são mulher e homem. Com a sua identidade, vivências, crenças.

Indivíduos únicos, com um nome próprio, com uma mãe e um pai. Como nasceram? Que infância tiveram? Que pais tiveram?

Olhar para estas duas pessoas não como pais mas como seres individuais.

Gostar dos pais? Enquanto mãe e pai ou enquanto seres únicos?

Posso compreender estas pessoas. Objetivamente perceber o porquê de serem como são. Mas também tenho o direito de gostar ou não, de as aceitar ou não.

 

Entender a minha origem, a minha base, as minhas raízes.

Ser um aprendiz. Construir oportunidades de compreender e porventura curar e deslaçar nós.

 

Gratidão,

moXo

 

121117

17
Mai18

Origem

moXo

Nome. Qual a origem do meu nome? Perguntei aos meus pais. Pesquiso o significado de cada palavra. Sei o que levou a esta escolha. O nosso nome tem uma energia poderosa. Devemos compreendê-lo e perceber em que caraterísticas da nossa personalidade está visível.

 

A nossa origem. Desenvolvimento no útero materno e Nascimento.

O meu parto e pós-parto.

Que acolhimento tivemos enquanto recém-nascidos. O que nos esperava e quem?

A forma como nasci, o ambiente e as emoções ao meu redor definiram a minha vida e têm consequências ainda hoje. Ao fazer esta busca e ao procurar saber mais apercebi-me da tamanha importância que todos os dias estas premissas têm em mim.

 

Todos nascemos com o mesmo nível de capacidades, no entanto há pessoas que as desenvolvem e outras não. Acredito que tudo o que acontece a uma criança até ir para o ensino básico é reflexo dos pais.

Em criança atraímos para nós o elemento predominante na nossa família ou do núcleo restrito em que nos desenvolvemos. Núcleo esse que não vai além da mãe e do pai e avós.

 

Copiamos as suas expressões, gestos, comportamentos ou agimos por defesa e afastamo-nos ao máximo.

Medo, fúria, insegurança, necessidade de aceitação, de chamar a atenção.

Somos influenciados e condicionados e na maior parte das vezes nem damos por isso, procurando explicações fora de nós.

 

Gratidão,

moXo

 

041117

Mais sobre moXo

foto do autor

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.